Quinta-feira, 6 de Outubro de 2005

José António Santos - Interrupção voluntária da gravidez

A razão exponencial para a resolução rápida e eficaz do problema da interrupção voluntária da gravidez não é só a libertação da mulher de um fundamentalismo de catecismo que infelizmente ainda vigora na atravancada mentalidade portuguesa e que leva a mulher a ser flagelada nos pelourinhos nacionais formatados ainda por uma legislação obsoleta e medieval, mas também e fundamentalmente o imperativo acertar da evolução do mental colectivo de um País que com quase um século de historia e pioneiro em questões fulcrais como a erradicação da escravatura, insiste no sucessivo endossar e "folclorizar" de um problema tornando a discussão em torno deste em um palrar burlesco, primário, desprovido de actualidade e de bom senso civilizacional.
O presidente da Republica, agora em final de mandato endossa a decisão para o tribunal constitucional reiterando a sua posição de algum tempo a esta parte de dignitário preocupado, protocolar, as vezes demasiado monarquicamente simbólico que convenientemente e comodamente prudente lavando as mãos como Pilatos alimenta uma manobra de diversão politica de direita que visa o entretenimento politico, o obscurantismo de mentalidades e ao mesmo tempo relega para segundo plano questões emergentes como o caos instalado na economia, emprego e educação.
A proposta galvanizada pelos grupos parlamentares do PS e Bloco de Esquerda paradoxalmente não obtêm o conveniente feed back destes quando se trata de defenderem as suas posições nesta matéria.
O Partido Socialista vampirizou esta questão apenas e só para garantir uma simbiose envenenada e o apoio de um espectro de esquerda que mais desenvolto se deixou entretanto adormecer pelos sucessivos espectáculos de variedades politicas perpetuados pelo governo de virtual esquerda e real direita de José Sócrates.
O Bloco de Esquerda que na contradição de possuir um candidato Presidencial e que na dialéctica de Francisco Louça mete a viola no saco ao afirmar que Sampaio foi prudente, se deixa quedar na amornada periferia da questão.
Até quando o bailarico da interrupção voluntária da gravidez.
Até quando o embaraço até dos magistrados ao lidar com esta vergonha.
Até quando o obscurantismo medieval instalado e incrustado no nosso mental colectivo e que afecta de modo colateral a mentalidade de um País que com o Passado que tem, envergonha-se infelizmente do Presente que possui.
José António Santos

publicado por quadratura do círculo às 18:07
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds