Segunda-feira, 30 de Maio de 2005

Mário Martins Campos - Coragem política

A responsabilidade política parece ser, cada vez mais, uma expressão vã e com pouco significado para quem assume responsabilidades de governação. Se algum gestor de empresas elaborasse um orçamento, com o nível de rigor do actual orçamento de estado, estaria provavelmente a engrossar a lista de desempregados, que infelizmente não pára de aumentar.
O orçamento, não só parte de premissas completamente inverosímeis, no que diz respeito às previsões de crescimento e enquadramento económico global, como se esquece de orçamentar medidas penalizadoras das receitas, de forma inaceitável.
Dito isto, faltam 5.5 mil milhões de Euros. A pergunta que se impõe, é naturalmente: Onde estão?
Estão no aumento das reformas, que não foram orçamentadas em 230 milhões de Euros.
Estão no aumento da despesa da saúde, com 1500 milhões de Euros de défice.
Estão no aumento da despesa da segurança social, com 600 milhões de Euros, a descoberto de qualquer receita.
Estão na diminuição dos impostos em 0.7% do PIB, sem contraponto do lado das receitas.
Estão na proposta de venda de património, chumbada pelo Eurostat, e mesmo assim prevista no orçamento.
Já para não falar, no recurso às receitas extraordinárias, que mais não faz do que, empurrar para as gerações futuras, a verdadeira dimensão do desequilíbrio das contas publicas.
Enfim, um conjunto de decisões orçamentais, que consubstanciam uma certa falta de seriedade na gestão das contas publicas.
Pois bem, importa pois olhar para o problema de frente. E fazer-lhe frente com coragem e determinação.
O governo apresentou um programa de equilíbrio das contas publicas, que em primeira análise revela um pouco de tudo isto.
Há que dize-lo sem subterfúgios ou meias palavras, que as medidas apresentadas pelo governo, para o combate ao desequilibro das contas publicas, se revestem de uma coragem política, invulgar no espectro da governação nacional.
São medidas impopulares, geradoras de inevitável conturbação social. São aquele tipo de medidas que nenhum governo gosta de tomar, sobretudo depois de ter prometido que não o faria.
A situação apresentou-se de forma drástica e a solução foi certamente dolorosa, mas correcta.
José Socrates faltou à palavra dada na campanha eleitoral, mas com isso é bem provável que tenha retirado a Portugal, mais uma década de atraso e perda económica e social.
As medidas tomadas, deixam uma marca. São um “pacote” de medidas, que apesar de “duras”, não esquecem a preocupação social, que se exige a um governo, com raízes ideológicas na matriz social-democrata.
O compromisso do governo é um compromisso para três anos. Durante este tempo, muita água irá correr por debaixo das pontes, muitas marés e tormentas se farão sentir, mas importa sobretudo que o Governo consiga levar o barco a bom porto, com um leme firme e uma direcção certeira, porque as medidas tomadas, impõem aos Portugueses, um conjunto de sacrifícios que serão irrepetíveis no futuro, em nome de um qualquer interesse nacional.
Mário Martins Campos



publicado por quadratura do círculo às 17:31
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds