Segunda-feira, 30 de Maio de 2005

Nuno Monteiro - Mistificação entendida

Referiu Sócrates, na Assembleia, que 6,2% é o valor do défice que pretende atingir em 2005.
Está entendido. São 6,2%. Como o ponto de partida é de 6,83% teremos uma descida…
Embuste.
O défice é de 6,83%. Agora será de 6,2%. Afinal não era de 6,83%. Bastava governar um pouco…
Embuste.
O défice de 2004, retirando as receitas extraordinárias foi cerca de 5%. Ao chegar aos 6,2%, teremos uma subida substancial. Porquê? Porque desde Julho, com a saída de Durão Barroso tivemos, primeiro um governo que não conseguiu governar, depois um governo demitido a que se seguiu um governo em campanha eleitoral e um governo à espera de um estudo do Governador do Banco de Portugal…
Ou seja, desde Julho não há governo. Culpas da estimativa de défice de Constâncio? Sampaio primeiro, Sócrates depois. Para além de tudo o que está por detrás… e que sustentou o golpe de estado de iniciativa presidencial a que assistimos na segunda metade de 2004.
O discurso de Sócrates foi corajoso. Grande parte das medidas são fundamentais. Infelizmente, perdeu-se ao manter a encenação demagógica do défice (que não o é) de 6,83%. Para justificar e mascarar o (verdadeiro) défice de 6,2%. Transformando uma subida numa descida e, dessa forma, levar avante na não implementação de portagens nas Scuts (a sua teimosia) e no aumento das prestações sociais que tinha prometido. E, dessa forma, “mascarando” o aumento da despesa.
Em troca, apenas não cumprirá no aumento dos impostos. Pouca coisa… no IVA (taxa e escalões), nos combustíveis, nos escalões do IRS, na não reposição de benefícios fiscais, nos vícios. Agindo sobre o défice no lado da receita e contrariando muito o que tinha dito e redito, antes e depois das eleições.
Mas, reforço: Sócrates foi corajoso. As medidas são correctas na sua maioria. E estão na linha das dos anteriores governos. Muitas delas foram contestadas por ele, na oposição e delas evitou, a todo o custo, falar na campanha eleitoral (já com a perspectiva da vtória eleitoral).
Infelizmente, volta a ser demagógico ao comparar os 4,1% (em crescimento, no pântano) de Guterres, ao fim de anos e anos de vacas gordas com os 4% a 5% (estabilizados) de Barroso em tempos de vacas magras (magríssimas).
Uma situação (a primeira) marcada pela instituição de um procedimento por incumprimento do PEC e a outra pela sua retirada.
O PSD foi coerente. Como se espera num partido responsável. Apoiará a maioria das medidas tomadas. O que não aconteceu com o PS, quando era oposição e como é usual (na sua demagogia e contradição).
O BE e a CDU trarão a contestação para a rua. Afinal ganharão muito peso com os descontentes do PS. A inflexão é demasiado grande para ser aceitável para estes eleitores.
Os eleitores do espectro central (PS-PSD) e que, em Fevereiro votaram PS, voltarão ao PSD.
Entenderão este embuste ao se certificar que as políticas seguidas pelos anteriores governos, afinal, eram as correctas (é Sócrates que o confirma, repetindo-as).
Apenas passaram (com Sócrates) a ficar de fora a Banca e o grande capital, crónicos infra-contribuintes.
Mas, o grande problema está para vir. Para lá do facto das medidas não serem suficientes para o pretendido (pois foram tomadas em simultâneo com outras, de cariz despesista), não são medidas aceitáveis para “socialistas”. À contestação externa (BE, CDU e sindicatos) será somada a interna (Soares e Alegre, os ideólogos e os “puros” socialistas que não perdoarão o sacrilégio anti-social destas medidas).
Os ministros das Finanças e Economia primeiro e Sócrates depois, serão contestados. Os primeiros sairão, o último conduzirá o País, de novo, ao pântano.
Mas, talvez se salve alguma coisa. Muitas das medidas hoje anunciadas são importantes e poderão perdurar…
Nuno Monteiro
publicado por quadratura do círculo às 16:49
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds