Segunda-feira, 23 de Maio de 2005

Nuno Monteiro - Défice de 7 por cento

António Guterres e os seus governos foram os últimos a governar, em Portugal, em ambiente económico expansivo.
Ao contrário de muitos países europeus, em vez de aproveitar o facto para ordenar as contas pública, Portugal desatou a distribuir o que tinha até aos limites e para além deles.
Criou uma estrutura de gastos exagerada, até para a economia expansiva em que vivia.
Infelizmente, essa “máquina” era rígida (emprego e benesses públicos: O “monstro”) pelo que não adaptável a tempos futuros de “vacas magras”.
E esses dias vieram. O pântano e a fuga.
O défice acima dos 4% em início de período de retracção económica internacional. Atentados WTC, aumento dos preços do petróleo, alargamento europeu, Euro e crescimento das exportações da China e Índia.
Para o PS, foi a melhor estratégia que poderia ter seguido.
Três anos depois está de novo no Governo.
Entretanto, entre 2002 e 2004, em período de retracção económica internacional, mais décima, menos décima, o défice foi estancado.
A 5%.
Isto não contando com as receitas extraordinárias, estratagema que mascarou o défice real, necessário para não colocar o País em contravenção perante a UE, o que originaria a perda de fundos comunitários.
Nesses tempos (de Manuela Ferreira Leite) foram tomadas medidas difíceis. Congelamento de salários e aumentos de impostos.
O Governo de centro-direita mobilizou todos para esse objectivo.
Inclusive a banca. Foi isso que o deitou abaixo. A banca, habituada a baixíssimas taxas de imposto mobilizou-se corporativamente, arregimentou os empresários (dependentes do seu negócio- de empréstimo de dinheiro) e estes colocaram na imprensa, dia sim dia sim, batalhões de “escribas” e “comentaristas”, cada um com o seu tempo de antena e coluna de jornal a deixar abaixo o Governo de Santana Lopes.
No seu canto, e no seu timing, o Presidente fez a sua parte e deitou abaixo um Governo com maioria estável na Assembleia, a meio de uma legislatura.
Sim. O défice não foi reduzido por Manuela e Bagão.
Mas foi estancado.
Imagine-se a continuidade de Guterres e da sua “tralha” até ao fim da legislatura…
Sim. A ferida não foi curada. Apenas cicatrizada.
E chega Sócrates.
Suportado pela banca, que atingiu o seu objectivo.
Está no Governo (Economia) e assim, não verá alterada a sua situação de infra-contribuinte.
Suportado por Constâncio, que não foi para o governo, mas é o ministro sombra das finanças. Tem lá o seu número dois e assume as políticas do sector.
Finalmente Sócrates. Preso às suas promessas e à sua atitude pré-eleitoral está a engolir elefantes (já comeu todos os sapos), um atrás do outro.
Entre duas forças antagónicas que o suportam. As de “esquerda”, populistas e demagógicas: mais emprego, mais social, sem portagens e sem aumentos de impostos; e as economicistas acima indicadas.
A guerra entre elas já começou (daí a ausência de Sócrates de qualquer participação pública). Dentro em breve passará para a praça pública.
Défice de 7%?
Pois. 5% + indecisões até as próximas eleições + apenas medidas custosas de ambito social = 7%.
Estranham? A culpa é do anterior governo?
Só para os demagógicos.
Quando começará o governo a governar? Quando o défice estiver a 10% (talvez a comissão Constâncio demore dois anos a acertar o défice à milionésimas). Depois das eleições? Quais?
Porque isto é como subir umas escadas rolantes que descem. Parar não resolve. Vimos parar logo cá em baixo…
Nuno Monteiro



publicado por quadratura do círculo às 17:09
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds