Terça-feira, 12 de Abril de 2005

Nuno Moreira de Almeida - Tudo ou nada

Atendendo ao panorama das oposições que actualmente se nos é oferecido, cada vez estou mais convicto que o eng. José Sócrates se arrisca a 4 anos de governação bem calmos e muito pouco turbulentos.
Vejamos:
O maior partido da oposição está agora entregue a um líder cinzento, por muitos visto como transitório, sem rasgos de grandes ideias ou propostas, nem pingo de carisma capaz de mobilizar as hostes. A favor, tem o histórico de competência enquanto líder parlamentar do PSD. Nada mais.
O CDS, uma vez ultrapassada esta fase de exasperante orfandade, independentemente de quem venha a assumir a liderança, terá que dedicar grande parte do seu tempo e dos recursos, mais a limpar as feridas de 20 de Fevereiro e a encontrar um novo rumo, do que propriamente a gerir uma postura de oposição com vivacidade e com propostas de ruptura. Aliás, a qualidade da sua actual bancada parlamentar, assim como a vontade nula de aproximação demonstrada pelos sociais-democratas, nada lhes auguram de bom.
Do PCP de Jerónimo de Sousa pouco se espera, a não ser o discurso teimosamente repetido em várias legislaturas, claramente vocacionado para a defesa das franjas de eleitorado que ainda sustêm os velhos comunistas portugueses.
Quanto ao BE, se Sócrates persistir numa inteligente aproximação à esquerda, quer a nível de coligações autárquicas, quer na essência das propostas simpáticas a algumas minorias étnicas, raciais e sexuais, conseguirá estrategicamente esvaziar o campo que alimenta o discurso fracturante anti-sistema que Louçã tem explorado e capitalizado como ninguém. Pelo menos até agora.
Em face de tudo isto, o governo socialista tem indubitavelmente preparado o terreno ideal para implementar as reformas e as políticas cada vez mais inadiáveis e cada vez mais prioritárias, por forma a erradicar grande parte dos males económicos, políticos e sociais que nos assolam desde há anos.
Mas como em tudo também aqui existe o reverso da medalha: os argumentos para desculpar José Sócrates e a sua equipa governativa por não conseguirem pôr em marcha 4 anos verdadeiramente reformistas, serão nulos!
É o tudo ou nada!
Tem a palavra o novo primeiro-ministro.
Nuno Moreira de Almeida
publicado por quadratura do círculo às 17:44
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds