Quarta-feira, 23 de Março de 2005

Mário Martins Campos - Centro político

Mas afinal, o que é isto do centro político? Esse local vazio onde se ganham e perdem eleições, e que todos parecem olhar para ele, como quem olha para um local cheio de tudo e de nada, ao mesmo tempo.
Existem diferentes formas de classificar o centro político, mas todas elas têm um radical comum. A ausência de ideologia, de preocupação politica e de participação cívica.
Enfim, o centro será, segundo estas definições com as quais discordo, um conjunto de pessoas de costas viradas para a política, para quem os políticos se viram, em tempos eleitorais.
Alguns dizem, que são um conjunto de eleitores descolorados, sem orientação ideológica e que vão oscilando entre a esquerda e a direita, como quem flutua na corrente, sem saber muito bem porquê. Outros há que os classificam, como indivíduos partidariamente neutrais, que têm um entendimento consensual e comum da actividade política em geral, e que como tal a escolha lhes é indiferente.
Quer num, quer noutro entendimento, a tentativa de os conquistar, em momentos eleitorais, implica uma renúncia ideológica, em nome do consenso e do esbatimento entre os diferentes flancos do espectro político. Ora, essa não é a minha opinião.
O centro político nasce da abertura de espírito e da pluralidade ideológica. E sobretudo da avaliação dinâmica das propostas e das pessoas, que o eleitorado faz a cada momento. O centro político, não é uma massa amorfa politicamente, é sobretudo um eleitorado que tem como princípio de voto, a análise a cada momento das propostas e das pessoas que as fazem. Para o conquistar, é pois necessário apresentar ideias que os façam sair do conforto do seu nicho político, e que os façam apoiar outro projecto político. É pois necessário, inovar, estimular, surpreender, para fazer face à inércia política e colocar o eleitorado em dinâmica de transferência.
O centro conquista-se com propostas concretas e não com indiferença, ambiguidades e indefinições.
Não se trata pois, de simplesmente “ocupar o centro”, trata-se sobretudo, de um lado ou outro do espectro político, atrair o eleitorado, com propostas que os façam pensar, que é possível fazer mais e melhor.
Mário Martins Campos



publicado por quadratura do círculo às 19:07
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds