Sexta-feira, 11 de Março de 2005

Walter Rodrigues - Atlantismo em desuso

A divisão da perspectiva sobre política externa entre atlantistas e não atlantistas fará cada vez menos sentido num contexto pós-guerra fria e de crescente globalização. Menos sentido ainda faz num contexto em que a geo-estratégia mundial é dominada por uma posição hegemónica dos EUA. Por outro lado, uma coisa é a retórica anti-bush e outra é a perspectiva face aos EUA. Não vejo por que razão uma clara oposição a uma política americana versão Bush possa ser confundida com qualquer perspectiva de menosprezo pelos compromissos de Portugal no quadro da aliança com os EUA. Não é essa oposição feita também por cerca de metade dos americanos? Lembro a posição firme de países como a França e a Alemanha no tocante à aventura de Bush no Iraque, e a distinção que esses países fizeram entre isso mesmo e a sua relação com os EUA. Considero, igualmente, que no actual quadro geo-estratégico global só uma posição firme da UE, e a concertação de uma estratégia desta face aos EUA, mas também face ao Japão e à China, permitirá atingir um equilíbrio razoável de poderes no quadro internacional. A questão está, precisamente, em contrariar a ideia de subjugação obrigatória da generalidade dos países da UE à estratégia norte-americana e, mais ainda, a refutação da ideia de que só é aceitável que esses países tenham uma política externa dependente, não só dos EUA como potência mundial, como de uma determinada orientação política dessa potência. Que princípio político justifica que a escolha do MNE se circunscreva às personalidades seguidoras de um atlantismo baseado nos princípios da guerra fria, e seguidistas face à estratégia pessoal da presidência norte-americana de uma dada conjuntura política? Não vejo, pois, razões para questionar a escolha de Freitas do Amaral para Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, nem vejo nisso qualquer contradição com a perspectiva de Sócrates, a orientação de política externa do PS, ou o seu programa eleitoral. O problema deste tipo de asserções, como a que se tem ouvido em relação a Freitas, é que fazendo a crítica de posições radicais, incompreensíveis nos tempos actuais, pós guerra fria, como as que continuam a ser defendidas pelos partidos mais à esquerda no espectro político nacional - continuam a laborar, elas próprias, com os instrumentos conceptuais e os argumentos próprios dos tempos da guerra fria.
Walter Rodrigues

publicado por quadratura do círculo às 11:04
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds