Segunda-feira, 14 de Fevereiro de 2005

Fernanda Valente - Desmontar a trama

Uma campanha eleitoral baseada no marketing político "american style", é uma campanha que se propõe eleger um candidato através dos seus predicados de ordem formal, numa completa ausência de ideias substantivas que ofereçam soluções ou satisfaçam as necessidades funcionais dos eleitores, isto é, aquilo que os leva objectivamente a votar e a escolher o melhor candidato: a promoção do emprego e a concretização das reformas que visem sistemas mais justos de saúde, de educação e de justiça.
Atenta-se à inteligência dos eleitores e ao desprezo pelas questões essenciais que os move, apostando-se tudo na imagem, nos dons de oratória do candidato, no discurso inflamado e retórico, privilegiando o alvo do adversário que é o candidato que melhor se posiciona na corrida, através do ataque tácito por via da "boatologia" e dos segredos de alcova.
O recurso aos "marketeers" (profissionais de marketing que operam sobretudo nos países da América latina, cujo eleitorado é, na sua grande maioria, composto de cidadãos desinformados, que não tendo nada a perder são movidos a votos por razões emocionais - como numa partida de futebol em que o vencedor é o clube cujos golos da vitória emergem do ponta de lança mais carismático -), num país como Portugal, na cauda da Europa, subsídio-dependente, através da qual se estimula a preguiça e se gere a doença precoce, sobretudo nos extractos sociais mais carenciados, o recurso a esses "expertos" do marketing político, redunda quase sempre no êxito do partido que os contratou, pela organização e pelo apoio de bastidores que oferecem.
Temos que, entre nós, desde o hino de campanha com laivos "pimba" a apelar à populaça - que muda de partido como de camisa -, aos outdoors de interpretação duvidosa, à constante transferência do mesmo grupo de militantes - grupo homogéneo nas crenças e nos afectos - pelos vários locais onde são realizados os comícios até à instrumentalização de um determinado segmento da sociedade, identificado pelo género, destinado, por meio de manifestações de expressão puramente racista, a alardear as "qualidades" de virilidade do candidato (aliás um tema muito em foco na sociedade contemporânea, inspirado pela grande mutação dos valores tradicionais), há de tudo nesta campanha eleitoral.
Competirá, por conseguinte, aos agentes da informação e às figuras mais avisadas do nosso meio, o desmontar desta trama política assente num excessivo negativismo da criatividade, a bem da idoneidade moral e cívica dos nossos concidadãos.
Fernanda Valente



publicado por quadratura do círculo às 19:05
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds