Segunda-feira, 20 de Dezembro de 2004

Nelson Henriques - Incoerências políticas

Todos nós os que lemos jornais e blogs, ouvimos rádio e vemos televisão, conhecemos desde há muito, o pensamento politico de José Pacheco Pereira.
Pacheco Pereira é um bom pensador e excelente comunicador. Não admira por isso que seja permanentemente solicitado pela Comunicação Social para opinar.
Sendo filiado do PSD desde há muito se demarcou, em muitas coisas do seu próprio partido.
Não é de agora, reconheça-se, que passou a ser uma voz incomoda dentro do PSD. Mesmo no tempo de Cavaco Silva, não podemos deixar de reconhecer que não era um incondicional.Talvez por isso mesmo nunca foi chamado a exercer cargos políticos de relevância e sua carreira politico-partidária ficou claramente condicionada.
Enquanto a Comunicação Social o solicitava e de algum modo o seu trabalho intelectual tem sido o seu ganha pão, politicamente os seus chefes partidários, preferencialmente, sempre lhe reservaram lugares fora de Portugal.
Podemos dizer que o gostaria mais de ver longe que, como agora faz, todos os dias na Televisão ou nos jornais.
Nos últimos meses tem sido um dos maiores críticos do ex e actual governo.
Pedro Santana Lopes tem de facto razões de queixa e se calhar muitas das cicatrizes que agora exibe, das facadas e chicotadas, e muitas das bofetadas que levou na incubadora foram-lhe dadas pelo correligionário José Pacheco Pereira...
Foi por isso que com enorme surpresa ouvi da boca de Pacheco Pereira que, apesar de tudo, ia votar em Pedro Santana Lopes, nas próximas eleições legislativas.
Pacheco Pereira não um militante anónimo e não é um politico qualquer. É um fazedor de opinião publica é um influenciador politico do voto de muitos portugueses.
Nessa qualidade não é fácil entender a sua incoerência pessoal e sobretudo a sua subjugação ao "cartão de militância".
Parece que afinal a "obediência" à máquina partidária é mais forte que o seu próprio pensamento politico. É pena.Pessoalmente é uma grande desilusão !
Não basta ser-se sério. É necessário também parecer-se. Se Pacheco Pereira fosse coerente com o seu próprio pensamento nunca poderia "engolir" elefantes e tapar os olhos para votar.
Se a obediência partidária é a sua referencia, a sua consciência politica, então o que devemos pensar ao ouvir e ler José Pacheco Pereira ?
Parece que a "moda" de dizer uma coisa e depois fazer-se o contrário está também a afectar outros ilustres "críticos" de Santana Lopes.
A acreditar nas últimas declarações de Marques Mendes, este está a preparar o "povo" para justificar o seu voto em Santana Lopes.
Não me admirava nada que num dos próximos comícios o Dr. Santana Lopes apresentasse a lista dos seus "inimigos públicos" que desde já lhe garantiram o seu voto para continuar a governar.
Pacheco Pereira, Marques mesmo parecem estar garantidos. E Manuela Ferreira Leite ainda a veremos num próximo comício ?
Incoerências políticas!
Nelson Henriques
publicado por quadratura do círculo às 19:04
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds