Quinta-feira, 2 de Dezembro de 2004

Carlos Frota - Realidade e ficção

A decisão do Presidente da República de dissolver a Assembleia da República, independentemente de termos conhecimento pormenorizado das razões que a tal o levaram, não pode suscitar grandes reservas. Compreende-se que haja nos partidos da coligação quem, com maior ou menor veemência, a critique - mas esses estão feridos pela natural cegueira de quem vê perder o poder que iam detendo. Eu sei que em política há paixão, e a paixão não deixa ver direito. Mas tudo o que se passou nestes tempos de Santana Lopes como Primeiro-ministro foi de facto tão mau, tão surrealista por vezes, que seria lamentável que o Presidente da República não interviesse para pôr cobro ao que era, na verdade, uma ficção - o governo do país. Todavia, defrontamo-nos agora com a necessidade de repor a realidade onde existia a ficção. O debate de ontem em a "Quadratura do Círculo" fez o levantamento, com naturalidade, das hipóteses possíveis. Está no PSD o ónus de uma decisão: vai Santana Lopes ser o rosto da campanha? Ele já disse que sim, até já prometeu que regressaria a Belém como Primeiro-ministro... Se assim for, estou com PP: é derrota certa. Não minimizo as capacidades dele junto de certo eleitorado. Mas quando se valoriza a sua vitória para a Câmara de Lisboa (por pequeníssima margem) deve dizer-se que não foi ele quem ganhou Lisboa; foi João Soares que perdeu... Neste momento, quem pode esquecer o que ele foi como Primeiro-ministro nestes quatro meses para o caucionar para mais quatro anos? Outra solução seria desejável. Mas o regresso de Cavaco, como PP propõe, soa-me ainda a ficção. Seria um "remake" estranho, este regresso (e regressos como este nem sempre são bem sucedidos). Será o PSD capaz de conseguir uma solução? Para bem do nosso país (e do PSD) seria desejável. Para o PS, abrem-se as portas do regresso ao poder. Confesso que tenho algum receio, mas não me parece também sensato desvalorizar as capacidades de José Sócrates. Compreendo que os seus adversários políticos (PP, LX) o façam, mas está por provar a sua competência ou incompetência. E como ministro de Guterres, até nem fez mau papel. O meu "algum receio" está relacionado com o facto de a situação económica do país não consentir políticas que satisfaçam o eleitorado natural do PS; será preciso que o potencial governo de Sócrates tenha presente a realidade e não seja tentado, ele próprio, a cair numa ficção... Creio que estas eleições vão uma vez mais mostrar um país bipolar; será interessante ver como os partidos mais pequenos vão posicionar-se e os resultados que vão obter. Nos últimos meses tenho andado pessimista. Se hoje ainda não estou optimista, estou, pelo menos, esperançado que o futuro seja menos mau do que tem sido o passado.
Carlos Frota

publicado por quadratura do círculo às 19:14
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds