Quinta-feira, 22 de Julho de 2004

Coelho Dias - Decisão do Presidente

É de lamentar que quando um Presidente da República tem de tomar uma decisão importante para o País, logo uma massa de iluminados se manifeste, nas ruas, tentando forçá-lo a assumir uma posição, que é a deles.
A recente demissão de Durão Barroso e os problemas que daí advieram, veio mais uma vez comprovar a falta de democracia existente em algumas franjas do eleitorado que, conquanto sendo poucos, têm uma grande capacidade de mobilização e de manifestação da sua vontade.
Felizmente o PR não se deixou intimidar e tomou uma decisão que, só a ele competia, não violou minimamente a nossa Constituição e é por demais acertada se considerarmos que:
O PCP e o BE jogam na máxima de quanto pior melhor, visto que quanto maior for a insatisfação do eleitorado mais possibilidades têm de aumentar o número de apoiantes e de deputados.
O PS, após a demissão de António Guterres, contou com a figura de Ferro Rodrigues para tapar o "buraco" no lugar de Secretário Geral, o qual não tinha o apoio da maioria dos Socialistas. Ferro Rodrigues deveria estar grato a Jorge Sampaio por não ter convocado eleições antecipadas, já que teriam sido um desastre para o PS, para o País e para ele, pois seria pouco provável o partido chegar às eleições sob a sua liderança, dadas as guerras internas, sendo assim duvidosa a obtenção de maioria PS no Parlamento.
As actuais candidaturas de José Socrates, José Lamego, João Soares e as mais que virão, atestam da falta de unidade existente no partido e da ausência de uma figura de peso disposta a dar a cara.
Também, o constante invocar do nome de António Guterres como candidato ideal da esquerda à Presidência da República é má estratégia, dados os maus governos que liderou, o estado em que deixou o País e o modo como abandonou o cargo. O que seria de Portugal se António Guterres fosse actualmente Presidente da República?
As reacções de Ana Gomes, são outra demonstração pública da falta de democracia e apontam para uma relação interna de compadrio e protecção da incompetência, sendo as atitudes daquela socialista, por demais, prejudiciais ao partido e a quem ela apoiar.
No PSD, Santana Lopes não seria o ideal para Primeiro Ministro de Portugal, mas pelos vistos foi o possível, resta-nos esperar para ver. Embora com muitas dúvidas, esperemos ver algo de bom para que o nosso Portugal não tenha apenas alegrias a custas do futebol.
publicado por quadratura do círculo às 12:09
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds