Quarta-feira, 14 de Julho de 2004

Rui Silva - Coisas da memória

A turbulência política está aí.
Em tudo o seu esfumado esplendor.
Na preparação dos directórios partidários, trocam-se ideias, traçam-se novos capítulos.
Não ouvi falar, ainda, de projectos mas só de nomes. Continuamos na “fulanização” e personalização da política.
Aguardo com curiosidade e expectativa o que os directórios dos partidos nos vão propor, os seus projectos nacionais, para mobilizar um povo, sedento de desígnios superiores.
Aguardemos.
Entretanto, detenhamo-nos sobre o passado próximo e os seus acontecimentos.
Factos a reter, sem nenhuma ordem de mérito:
- Uma decisão do Presidente da Republica, discutível e contestada de formas nem sempre correctas;
- Uma decisão do ex-primeiro ministro, para uma candidatura a um cargo europeu, controversa do ponto de vista interno, mas que arrastará o nome de Portugal, para bem ou mal veremos, para os píncaros da política da União Europeia;
- A realização do Euro 2004 como um valor acrescentado para Portugal e a sua população - falo exclusivamente da sua realização e não dos antecedentes que lhe deram origem.
- O desaparecimento de figuras marcantes da nossa vida como Sophia de Mello Breyner (cujo “perfume” poético inebriou gerações e a convicção e coerência das ideias merecem o nosso respeito), como Maria de Lurdes Pintasilgo (cuja dimensão de humanidade permitiu suportar uma afirmação politica), como António Sousa Franco (que mostrou como é possível ser coerente em politica, dando-lhe dimensão nacional), como Lino de Carvalho (que honrou um Parlamento, dando-lhe substância de ideias, mesmo que não se concorde com elas), como Henrique Mendes ( que foi, para muitos, a “cara” da Televisão, acrescentando-lhe um profissionalismo que não abunda) - são exemplos de pessoas que atravessaram a nossa vida , deixaram obra que orgulha o povo a que pertencem;
- A elevação, mais uma portuguesa, a património da humanidade dos vinhedos do Pico.
Destes factos citados, certamente poucos do universo onde se inserem, alguns deveriam merecer especial atenção.
São exemplos da maturidade de uma nação, da sua cultura, da sua afirmação no mundo.
Relevemos os importantes, de dimensão, esperando a sua repetição (obviamente não de mortes), para constituírem mais motivos de orgulho.
Releguemos para os confins da memória os outros, os que nada acrescentaram ao nosso orgulho de ser português.
Há pessoas que nos podem desafiar para sermos melhores; assumam a sua oportunidade e terão resposta, em mérito, dos portugueses.
Rui Silva





publicado por quadratura do círculo às 19:14
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds