Terça-feira, 3 de Outubro de 2006

João Gomes Gonçalves - Artbótica

A coisa é séria e já está a caminho do Museu de História Natural de Nova Iorque. Um «artista» português, de seu nome, Leonel Moura, inventou um robot que pinta quadros: um «robot artista», portanto.

Mais uma vez é um português que, num rasgo de génio, dá novos mundos ao mundo: o trabalho duro do dia-a-dia é a grande chatice que o português detesta. 

Sócrates já realizou uma reunião de urgência, com os ministros da Ciência e da Economia, para lançar um programa nacional de comercialização do «robot artista», em várias versões: plus, com cinquenta tubos de tinta, que cobrem uma gama alargada de tons, standard, com doze tubos de tinta, para pintores em inicio de correria, e míni, só com um tubo de tinta preta, para exportação para os países do terceiro mundo. 

Bill Gates já enviou uma delegação ao mais alto nível da sua administração para negociar uma versão especial para incluir no Windows, em substituição do velho Paint, que ficou completamente ultrapassado. 

Segundo estudos de mercado, com a comercialização e exportação do «robot artista», para todo o mundo vai tornar, pela primeira vez na nossa história, a nossa balança comercial positiva, e já em 2009 o actual deficit orçamental passará dos 4,6 negativos para 4,6 positivos.

Nesse ano, 50% dos trabalhadores activos já serão todos artista em Artbótica e deixará de ser necessário plantar batatas, couves, cenouras, grelos, e outras inutilidades. A pesca do arrasto, à linha e aos domingos no Guincho também já terá acabado, ficando essa actividade a cargo dos Espanhóis.

No caminho aberto por  Leonel Moura certamente surgirão robots noutros domínios: americanos, japoneses ou indianos talvez inventem o «robot sentimental», um robot que emite sentimentos: afecto, carinho, amizade, amor, compaixão, ternura, pieguice, etc., cobrindo todo o leque de sentimentos que o ser humano mais requintado é capaz de sentir.

A solidão, o casamento (gays e lésbicas incluídos), a amizade, os traumas de infância, etc. serão vantajosamente substituídas pela aquisição, em qualquer loja de electrodomésticos, de um «robot sentimental», que nos fornecerá, por medida, quando e onde quisermos, o sentimento que nos apetecer. Finalmente, o Eldorado do progresso estará ao alcance da Humanidade!

Cavaco Silva já agendou a cerimónia de atribuição da Ordem de Torre e Espada, a Leonel Moura, mas existe uma dúvida entre os seus assessores: a distinção deverá ser conferida na qualidade de artista genial ou de cientista louco?

João Gomes Gonçalves

 

publicado por Carlos A. Andrade às 17:32
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds