Quinta-feira, 9 de Novembro de 2006

Júlio Marques - Fazer de conta

Tenho pelos professores a mesma consideração que tenho por qualquer outro cidadão. Nem mais nem menos. Aprecio qualquer um quando faz o seu trabalho bem feito. Por isso, não acredito nas loas dos sindicatos sobre os méritos de uma classe tão numerosa nem nos deméritos que outros lhe atribuem. Estou mesmo em crer que partilham dos defeitos e das virtudes de todos os seus concidadãos. Estou igualmente em crer que os fracos resultados que obtêm se devem a uma política educativa desastrosa desde há muitos anos e que leva a que às organizações onde trabalham não sejam pedidas contas. Porque de contas se trata. Faz de contas o governo que governa, fazem de conta os alunos que aprendem, fazem de conta os professores que ensinam. Fazem de conta os sindicatos que os professores são todos tão bons que todos em carreira chegam ao topo. Fazem de conta que as leis, nomeadamente a do estatuto da Carreira Docente, sempre foi cumprida e que pelos seus brilhantes resultados deveria ser mantida. Faz-se de conta que para a educadora que dá de comer às criancinhas enquanto canta o Come a papa Joana come a papa e o professor que ensina a Fenomenologia do Espírito se requer igual grau académico e igual retribuição. Faz-se de conta que a boa vontade proposta por Kant deveria ser o único imperativo a reger a actividade docente. Faz-se de conta que na carreira docente alguns professores para transitarem ao 8º escalão não tiveram que prestar provas públicas (como a memória é curta!). Faz-se de conta que muitos professores que estão agora no topo da carreira não se licenciaram num ano sem precisarem sequer de deixar de trabalhar. Faz-se de conta que não havia escolas públicas a esvaziarem-se de alunos onde os professores com poucas horas iam leccionar para os colégios ao lado que se iam enchendo. Faz-se de conta que a formação contínua dos professores era uma resposta aos seus problemas profissionais e das suas escolas. Faz-se de conta que não houve professores que se reformaram aos cinquenta anos porque compraram tempo de serviço que faz de conta que existiu. Faz-se de conta que existiu uma coisa chamada ‘Área-Escola?’, uma disciplina chamada Desenvolvimento Social e Pessoal (DPS), um movimento da Escola Cultural (como seria possível uma escola não ser cultural?!) . Faz-se de conta que é normal um aluno de 7º ano ter 15 (Quinze) disciplinas. Faz-se de conta que é normal os ministros da Educação terem muito boas ideias sobre o assunto depois de terem sido ministros e escreverem livros interessantes.
De tanto fazer de conta até fazemos de conta que a conta que contamos há-de ser levada a sério. Vem isto a propósito de um artigo do escrevente Santana Castilho (professor do Ensino Superior), publicado no Público, em 6 de Novembro de 2006. Dirigindo-se aos pais, diz: «Pensem que ter 200 alunos é uma média corrente». Que quer dizer, o senhor professor, com média corrente?
Quer dizer que a média de alunos por professor é de 200? Quer dizer que é frequente um professor ter 200 alunos? Ou, simplesmente, dentro da cultura atrás exposta, quer dizer que faz de conta que cada professor tem 200 alunos? Se for a sério e fazendo contas do teor que o senhor professor faz metade da população portuguesa anda na escola. Então, depois de contas assim feitas, acha que as fichas são que são idiotas?
Júlio Marques
publicado por Carlos A. Andrade às 18:46
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Anónimo a 10 de Novembro de 2006 às 01:05
Não compreendo a questão. Será que é o senhor que está a fazer de conta que não sabe que muitos professores têm em média 200 alunos? Obviamente esse número depende da carga horária da disciplina. Os professores de uma disciplina como a Geografia, por exemplo, têm uma média de 7 ou 8 turmas e as turmas, não faça de conta que não sabe, têm uma média de 28 alunos. Os professores de Língua Portuguesa (que sorte!) ficam pelos 150 alunos, porque o número de horas lectivas desta disciplina é superior. Quem continua a fazer veradeiramente de conta é o Ministério. A fazer de conta que os alunos deste país não são pessoas, pessoas às vezes com fome, às vezes com problemas familiares, às vezes angustiados, às vezes sem outro apoio que não a Escola, às vezes rebeldes, tantas vezes a precisar de ajuda! É que os filhos dos senhores do "faz de conta" estão no mundo do "faz de conta", que é logo ali ao lado, no colégio particular, com todas as actividades asseguradas (desportivas, culturais, tudo arrumadinho...), com a alimentação garantida e tudo o que de bom se possa imaginar. Mas claro que eles só os colocaram no colégio particular porque o horário era mais favorável, porque estava tão perto de casa, porque já o paizinho estudou lá, blá, blá, blá... Dos filhos ranhosos das famílias que não têm 5 Euros para pagar uma visita de estudo, desses que cuidem os também ranhosos professores portugueses! Mas faça de conta que não sabe, sempre se dorme melhor!


De Anónimo a 16 de Novembro de 2006 às 09:32
Por cada professor ter em média 200 alunos, chega-se à conclusão que cerca de metade dos portugueses andam ma escola, porquê: multiplica-se o nº. de professores existentes por 200 e obtem-se o nº. total de alunos em Portugal ???

Então não sabe que cada aluno tem 8 ou 10 disciplinas e por isso 8 ou 10 professores, daí a que cada professor leccione em várias turmas, podendo atingir atingir um número elevado de alunos (não confirmo os 200, mas também não me espanta)?

Talvez seja este o resultado do deficiente conhecimento dos portugueses, relativamente à matemática.

Silvério Rosa.


Comentar post

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds