Terça-feira, 31 de Janeiro de 2006

Fernanda Valente - Renovar os partidos

Pretende, assim, Manuel Alegre criar um “movimento aberto, plural e transversal de cidadãos” orientado para a “discussão de grandes temas”, sem objectivos político-partidários, mas cuja base de apoio foi extraída de um quadro eleitoral em que um número significativo de votantes apoiou um candidato, concorrente ao exercício do cargo mais elevado da magistratura política.
Os eleitores que viabilizaram a manutenção do segundo lugar para a candidatura de Manuel Alegre, quase obrigando o eleitorado de novo a pronunciar-se numa segunda volta, fizeram-no, não por se tratar de um Manuel Alegre, candidato independente do espectro político-partidário, mas de um Manuel Alegre, membro e militante histórico do Partido Socialista, actual deputado parlamentar e vice-presidente da Assembleia da República. Pelas mais variadas razões, essa massa eleitoral não aceitou de bom grado o apoio dado pelo Partido a Mário Soares, igualmente conotado com a ala esquerda do PS, e, a leitura do resultado do escrutínio a favor de Manuel Alegre, mais não significa do que pretender exercer o seu direito de veto no âmbito daquilo a que poderíamos chamar de uma “magistratura da militância político-partidária”, dando assim uma lição nas hostes da comissão política daquele Partido que, na altura, conheceu uma grande contestação interna à sua decisão.
Em qualquer das situações, quer aquele movimento se venha a converter em partido político, ou venha a funcionar como porta-voz das aspirações políticas independentistas de mandatários, coordenadores e apoiantes pessoais da campanha presidencial de Manuel Alegre, tratar-se-à de uma agremiação política desde já votada ao fracasso. Por um lado, a esquerda e o centro-esquerda do nosso sistema partidário já se encontram exaustivamente disputados pelas várias forças politico-partidárias, inclusive de direita, que a cada eleição se digladiam pela posse dos seus votos e, por outro lado, já se constituíram tantos foruns para o debate de grandes temas, existem na blogosfera inúmeros espaços dedicados à abordagem dos grandes temas da nossa actualidade, em que o cidadão pode participar - sem sair de casa – abertamente, com pluralidade e de uma forma transversal.
Acredito nos partidos políticos constituídos a partir de uma base ideológica fundamentada nas várias correntes filosóficas do pensamento humano, adaptada à vertente tecnocrática, economicista e sociológica do mundo em que vivemos. Existe uma crise de valores no actual sistema partidário, à qual não podemos ser alheios, mas, por outro lado, talvez o aparecimento de novas estruturas partidárias não seja a solução, mas sim a renovação e reconfiguração das existentes, num quadro de maior exigência de qualidade e integralidade dos seus dirigentes.
Fernanda Valente
publicado por quadratura do círculo às 19:54
link do post | comentar | favorito
|

.pesquisar

 

.Fevereiro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28


.posts recentes

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Carlos Andrade - Suspensã...

. Teste

. João Brito Sousa - Futecr...

. Fernanda Valente - Mensag...

. António Carvalho - Mensag...

. João G. Gonçalves - Futec...

. J. Leite de Sá - Integraç...

. J. L. Viana da Silva - De...

. António Carvalho - Camara...

.arquivos

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

. Julho 2004

. Junho 2004

. Maio 2004

. Abril 2004

. Março 2004

. Fevereiro 2004

. Janeiro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds